8 de setembro de 2013

Villa Agnedo, terra de meus antepassados Floriani, Sandri, Rafaeli e Paternoli.


Parecia inacreditável quando finalmente chegamos na terra de onde partiram meus antepassados em 1875. Diversas famílias italianas em dificuldade naquela dura época deixaram tudo para trás e foram para o Brasil, muitos Floriani, Sandri, Rafaeli e Paternoli partiram de Villa Agnedo, localizada no Valsugana, um vale formado pelo rio Brenta, que nasce em trento e corre em direção à Veneza.

Quando estivemos na região a paisagem começava a ficar mais verde e florida. E com uma certa paixão daria para achar que Agnedo lembraria um pouco algumas cidades do interior de Santa Catarina. As cidades italianas como Agnedo são muito pequenas mesmo, cercadas de alguma área verde, pequenas áreas de pastagens, de pomares de maçã ou parreiras. E em algum ponto se tocam com outra cidade, uma conurbação desavergonhada. 

Não se vê mansões, tão pouco uma moradia ruim. Todas a casas são boas, todas as ruas com asfalto (sem remendos), casas pintadas, muito verde, antigas construções com pedra (e bota antigo nisso).  


Quando chegamos na cidade, desembarcamos do ônibus na praça em frente a igreja de Agnedo, no outro lado da rua uma fonte de água restaurada, ao lado uma pequena mercearia. Entro, e a funcionária com um sorriso se apressa em dizer que o lugar está repleto de Floriani. A prefeitura tem um visual que destoa de qualquer outra construção. 

De qualquer lugar, se vê uma cidade com traços típicos do Norte da Itália. O telhado das casas proeminente, de beirais largos, as sacadas extensas feitas de madeira no segundo piso, e no centro da cidade, a cúpula da torre da igreja.
 


Não se ouve qualquer fonte de barulho incomodo, os carros as vezes passam enlouquecidos e raramente alguém na rua. O comércio existe em Strigno, e mesmo assim se vai em um supermercado maior em Borgo Valsugana, embora grandes áreas fossem tomadas por indústrias de todo o tipo. É raro ter uma calçada e se caminha na rua. De carro se passa perto da parede das casas quando a rua é mais estreita. Lá bicicleta não precisa de ciclovia para ter direito à vida.

Na foto a seguir, Villa Agnedo durante a inauguração da reforma da praça central em 20 outubro de 2010.

Daria pra ver um pouco melhor a cidade de um local que gostaria de ter ido, o Baito del Colazzo, localizado no Monte Ortigara, a 2003 metros de altitude, é o local onde havia uma trincheira austríaca durante a Primeira Grande Guerra. Estas fotos são de lá.


Do mesmo ponto dá pra ver na parte em frente, mais baixa do vale ao pé do monte Lefre (a direita) a cidade de Villa Agnedo, Castel Ivano e, mais ao centro a cidade de Strigno, dentre outras.

                       (Disponíveis em Comune di Villa Agnedo no Facebook)



Comente com o Facebook:

comentário(s) pelo facebook:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...